Biografia: Alfredo Bulhões Gago da Câmara

Convidado de honra: http://povoadelanhosoacounoseum.blogspot.com/ Alfredo Gago da Câmara - Músico e Compositor
Biografia: Alfredo Bulhões Gago da Câmara

Alfredo Bulhões Gago da Câmara nasceu na ilha de São Miguel, Açores, em Vila Franca do Campo no ano de 1958. Ainda criança, escola primária, denotou grandes aptidões para a música, iniciando nesta altura os primeiros acordes na guitarra clássica. Embora execute, com conhecimentos mínimos, diversos instrumentos musicais, especializou-se mais em instrumentos de cordas possuindo hoje a carteira profissional de viola e de guitarra portuguesa emitida pelo Sindicato dos Músicos Portugueses.
Alfredo Gago de Câmara, como é conhecido, é um músico que já actuou diversas vezes em todas as ilhas dos Açores (teatros, centros culturais, restaurantes, festas concelhias, eventos diversos, etc), Madeira (festas da Madeira whine, festas de São Vicente, etc), no continente português em diversos lugares e distritos, Lisboa (casa dos Açores, casas de fado, aula magna, etc). Acompanhou diversos artistas e fadistas sobejamente conhecidos em Portugal e também no estrangeiro, principalmente em países aonde existem comunidades portuguesas, tais como: América, Canadá, Luxemburgo, Brasil e Venezuela.
Por diversas vezes Alfredo Gago da Câmara participou em programas de rádio, e de televisão com actuações em grupo, ou a solo, ou acompanhando às guitarras outros músicos e artistas.
Alfredo Gago da Câmara emprestou a sua arte para cerca de 50 edições discográficas e algumas cassetes áudio. Nestas edições, ele próprio foi o produtor de 1 single, ainda em vinil, e 29 C.D's., aparecendo em alguns destes trabalhos a solo, com voz, execuções, orquestrações, composições e até como autor de muitos poemas, estando neste momento a escrever um livro aonde pretende deixar também estes registos. Possui dezenas de temas da sua autoria, por ele editados, ou interpretados por outros músicos e cantores. Muitas destas criações hoje estão registadas na Sociedade Portuguesa de Autores da qual é sócio desde 1980 com o número 8.130.
Actualmente, Alfredo Gago da Câmara é diversas vezes solicitado para actuações de câmara, principalmente na área do fado, no entanto, faz composições, execuções e orquestrações de outros géneros musicais no seu estúdio particular de gravação, que utiliza também para a produção das suas próprias criações.
Alfredo Gago da Câmara foi professor de viola da terra no Conservatório Regional de Ponta Delgada e de guitarra clássica nas escolas da M.M. Music em Ponta Delgada. Foi também formador de diversos cursos de instrumentos de cordas em Santo António, Lagoa, Fenais da Luz, Vila Franca do Campo, freguesia de Calhetas, Ribeira Seca da Ribeira Grande, Matriz da Ribeira Grande, Rabo de Peixe, Pico da Pedra, etc.
Alfredo Gago da Câmara também foi monitor de cursos de expressão musical na Escola profissional de Capelas, Escola Profissional de Ribeira Grande e é desde oito anos o responsável pelas actividades culturais na Fundação Escola Profissional de Vila Franca do Campo, exercendo o cargo de Técnico de Apoio às Áreas Sócio-culturais nesta instituição. Possui diploma de Formação de Formadores, diploma em vigor de formador emitido pela Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada e é certificado pela Direcção Regional da Juventude, Emprego e Formação Profissional dos Açores.
Alfredo Gago da Câmara é casado com Piedade Rêgo Costa, fadista açoriana, possuidora de uma voz impregnada de sentimento que também já gravou dezenas de fados editados em cds. Emprestou também a sua voz para bandas sonoras televisivas, cantou em todas as ilhas dos Açores e realizou centenas de espectáculos, incluindo casas de fado também em Lisboa, Estados Unidos e Canadá, o que lhe valeu o prémio açoriano de carreira em 2008. No próximo mês de Março, Alfredo e Piedade Rêgo Costa irão lançar mais um álbum a solo nos Açores e em Lisboa intitulado "Fados e Guitarradas".

Alfredo Gago da Câmara afirma que no centro de todas as coisas, que fez, que faz ou em que participa, encontra sempre um coração de fadista, que é seu, e que palpita sempre que os seus braços abraçam uma viola ou uma guitarra portuguesa.

Janeiro 2010

Convidado de Honra pelo autor povoense Quelhas “Alfredo Bulhões Gago da Câmara”

alfredogagocamara@sapo.pt
estudiosalfa@hotmail.com
http://www.youtube.com/user/Guitarrista211158
http://hi5.com/friend/p310010632--Alfredo_Câmara--html

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Dedilhados Suaves e Mansos


DEDILHADOS SUAVES E MANSOS

O proprietário de uma casa neste país, não terá qualquer problema em endividar-se, desde que esta habitação tenha sido construída com benefícios fiscais e lhe tenha sido oferecida de mão beijada, porque nada tem, pouco ou nada trabalha, nada produz, e tudo reclama. Uma empresa, mesmo falida, para continuar em actividade neste mesmo país, poderá também sobreviver com perdões fiscais, sendo administrada por um político filiado, do poder ou não, que tudo tem, pouco ou nada trabalha, nada produz, e tudo reclama.
A outra grande semelhança que existe entre estes dois é o facto de nenhum deles ser responsabilizado pelas burrices que cometeu ou que comete. O primeiro porque continua a fazer o que lhe dá na real gana. Não tem qualquer prejuízo no seu bolso vazio, ou na sua promoção de carreira profissional que a maior parte das vezes não existe. Por isso, este não tem absolutamente nada a perder. E o segundo… Também! Só que mesmo assim lhe chovem depois as promoções meritórias (?), por ele legisladas, que lhe irão ser conferidas também através de excelentes e precoces reformas sociais pela sua ilustre e brilhante (?) carreira politica.
Mais uma grande semelhança que existe entre ambos é que os dois são polivalentes no desempenho dos seus ofícios. O primeiro é capaz de fazer de pedreiro, de pintor, de electricista, de lavrador, de canalizador, de cantor pimba, de pescador, de segurança num bar nocturno, etc. Excepcionalmente, com algumas cunhas, alguns até conseguem chegar a pequenos empresários e comerciantes de produtos que garantem o emprego e o ordenado a muitos advogados, juízes, médicos e psicólogos, o que é óptimo! O segundo percebe de advocacia e legislação, de pintura clássica, de obras públicas, de aviação, de música, de escultura, de telecomunicações, de economia, de administração bancária, etc. Às vezes, também com algumas cunhas, consegue mesmo chegar a grande empresário e administrador de importantes instituições e, é claro, garante também o emprego e o ordenado a muitos recém-formados e promissores jovens doutores, o que também é óptimo!
O grande problema é que existem outros que, por enquanto, são a maioria: os que ainda pouco ou alguma coisa têm, mas que trabalham e tudo produzem sem reclamar, e que, por incrível que pareça, ainda sustentam os primeiros e os segundos! Alguns, a pouco e pouco vão se afundando e entulham-se com os primeiros. Outros, os alisadores, impulsionados por uns duvidosos mas felizes empurrões, rolam para a bola de neve dos segundos. Ambos vão deixando um enorme e declinado fosso vazio que um dia acolherá os destroços de uma colisão inevitável entre os dois e, dos sobreviventes, irá renascer uma outra forma de viver seguramente mais humana, mais feliz, mais realista e mais justa neste meu país.
Nesta altura, a minha humilde guitarra para sempre já se calou! Fartou-se de vibrar com soluços incompreendidos. Orgulho-me dela pela sua persistente forma educada e sensível que tem de soltar os seus pianos trinados. Já lhe confidenciei, que enquanto me crescerem as unhas, irei sempre soltar-lhe os lamentos, embora de surdina! Naturalmente será porque, quando a encosto ao peito, lhe vou transmitindo de uma forma meiga o que me sai do coração, apenas com dedilhados suaves e mansos.

Alfredo Gago da Câmara

5 comentários:

Sporting Clube de Braga de Zurique disse...

visite este link

exposiçã de corpos humanos originais

http://sportingclubedebragadezurique.blogspot.com/2010/02/blog-post.html

Póvoa de Lanhoso a contrariar ou no seu melhor! disse...

Olé...

Mais uma vez venho entrar pelo vosso COMPUTER dentro.
Já vamos na 6 Personagem de Honra a Convite de Quelhas

1 Efigênia Coutinho - Poetiza
2 Jorge Campos – Escultor/Artista Plástico
3 Chico Bento – Poeta/Compositor
4 Domingos Ferreira - Poeta/Arte Robótico
5 Alfredo Gago da Câmara – Músico/Fadista/Compositor
6 Ana Sofia Pinto – Professora/Escritora/Historiadora

Segue-se: Alexandre Cardoso – Pintor Sob Arte do Vitral

Apelo a uma boa relação entre CELEBRITIES e BLOGGER’S
Comentem-se uns aos outros, conheçam-se melhor pela cultura que, vai um pouco mal!

Jornais: Fri-luso
1 Chico Bento – Poeta/Compositor
2 Efigênia Coutinho - Poetiza
3 Domingos Ferreira - Poeta/Arte Robótico

Jornais: Gazeta Lusófona
1 Jorge Campos – Escultor/Artista Plástico
2 Domingos Ferreira - Poeta/Arte Robótico

Seguiram-se os restantes Personagens

José disse...

Isso é verdade,nada melhor que trabalhar aqui ou noutro lado qualquer de dia e de noite só ou com a esposa para se ter uma casinha,só assim pode dar o valor áquilo que se tem.
Um abraço para ti meu caro amigo.

Póvoa de Lanhoso a contrariar ou no seu melhor! disse...

Entre a vida e a morte...

- PAI-NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU;

Rezava o velho, na cama do hospital, Gelado, com um ar triste e cansado...

- SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME;

O soro frio corria-lhe nas veias e nas artérias, gota-a-gota horas a fio...

- VENHA A NÓS O VOSSO REINO;

Chega o médico, vê o estado do doente com fragilidade, manda um ajudante levá-lo a fazer exames e análises...

- SEJA FEITA A VOSSA VONTADE;

O homem regressou à sua hospitalidade, ainda mais tenso e com falta de ar, mas continuava a rezar...

- ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU;

Assiste-o o enfermeiro, que de imediato lhe dá uma pica no braço
e o põe a fazer uma transfusão de sangue...

- O PÃO-NOSSO DE CADA DIA NOS DÁ HOJE;

O sangue frio corria-lhe nas veias e nas artérias, gota-a-gota horas a fio...

- PORDOAI AS NOSSAS OFENSAS;

O doente estava com anemia, a tensão estava baixa, não lhe doía nada, mas estava muito cansado e confuso...

- A QUEM NOS TEM OFENDIDO;

Depois de tantas horas, o velho não reagia, seu coração estava cansado, a família estava à espera do pior...

- NÃO DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO;

Chegou o padre para o confessar, rezava cada vez mais baixinho,
só num mexer de lábios...

- MAS LIVRAI-NOS DO MAL;

Estas horas de aflição rezou com medo da morte, e rezou pela vida toda, por antes nunca ter tempo de rezar...

- ÁMEM;

E sucumbiu...

Baseado no sofrimento do fim da vida...

O Crítico tem autonomia de censurar!

pág. 0163
http://inspiracaodoautor.blogspot.com/

Quelhas disse...

Quelhas tornou-se membro efetivo como escritor na AVSPE, na Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores.

http://www.avspe.eti.br/biografia2010/JoaoCarlosVelosoGoncalves.htm

www.avspe.eti.br/